Compartilhe:

Cuidados paliativos no tratamento oncológico

O cuidado paliativo é uma parte essencial na programação do tratamento do paciente oncológico com doença avançada. Essa prática assistencial é realizada por uma equipe multidisciplinar que, além dos médicos, envolve psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas, enfermeiros e outros profissionais. É sempre importante lembrar que o paciente é o centro do cuidado, dessa maneira, suas convicções, sua religiosidade e seus aspectos sociais serão respeitados.

Globalmente, apenas 14% dos pacientes recebem esse tipo de cuidado, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). Essa estatística deve e precisa ser melhorada, já que esse tipo de abordagem impacta positivamente na qualidade de vida dos pacientes.

Quais são os objetivos do cuidado paliativo?

Existe uma série de objetivos, e abaixo destacamos alguns deles:

  • melhora a qualidade de vida: esse é o centro do cuidado da equipe multidisciplinar;
  • alívio dos sintomas e do stress: já há uma série de dados de estudos mostrando como essa abordagem atenua sintomas como, por exemplo, dor e quadros de ansiedade, que impactam na melhora da sobrevida dos pacientes;
  • ajuda a definir os objetivos do tratamento: a equipe multidisciplinar auxília o paciente e familiares na estruturação do cuidado durante o tratamento. Também promove suporte à família, que é parte integrante no cuidado.

 

Todos os pacientes com doença avançada devem ter acesso à equipe de cuidados paliativos. Além de todos os benefícios já citados, o time multidisciplinar pode ajudar na transição do cuidado do ambiente hospitalar para o hospice*. Trata-se de uma estrutura para pacientes em terminalidade na qual o objetivo principal é o conforto e o suporte psicológico do paciente e da família. É importante durante a programação do tratamento avaliar essa possibilidade, afinal, o hospice* é um local especializado no suporte nessa fase da doença.

Lembre-se, o cuidado paliativo não é sobre morte, mas sobre a melhora da qualidade de vida durante o tratamento.

*hospice: são instituições de internamento com espaço físico próprio para acompanhamento, tratamento e supervisão clínica de doentes em situação clínica complexa e de sofrimento decorrentes de doença severa e/ou avançada, incurável e progressiva.

Por: Dr. Aumilto Augusto da Silva Junior
CRM:
123456-SP
Oncologista do Hospital Santa Catarina – Paulista.

Dr. John Doe 2
Dr. John Doe 2
Endocrinologista
CRM - 67890

Faculdade de graduação

Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2012

Pós-Graduação

Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2013
Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2015
Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2018

Áreas de foco científico

Doenças Crônicas e Cirurgia Metabólica

Outros destaques

Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2017
Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2018

Dr. John Doe
Dr. John Doe
Endocrinologista
CRM - 12345

Faculdade de graduação

Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2012

Pós-Graduação

Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2013
Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2015
Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2018

Áreas de foco científico

Doenças Crônicas e Cirurgia Metabólica

Outros destaques

Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2017
Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2018

Artigos relacionados

blank

Dia Mundial do Câncer: prevenção, diagnóstico e tratamento

blank

Dezembro Laranja: previna-se contra o câncer de pele neste verão

blank

Novembro Azul: mitos e verdades sobre a reposição hormonal e o câncer de próstata

blank

CÂNCER DE PRÓSTATA: DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E POSSÍVEIS EFEITOS COLATERAIS DOS TRATAMENTOS

blank

O Novembro Azul, as doenças da próstata e a importância do diagnóstico precoce

blank

NOVEMBRO AZUL: PRECONCEITO DIMINUI CHANCES DE DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER DE PRÓSTATA