Compartilhe:

Imunoterapia: tratamento menos invasivo no combate ao câncer

Levantamento do Hospital Santa Catarina – Paulista mostra que entre 20% e 25% dos pacientes oncológicos realizarão o tratamento na instituição

Você já ouviu falar em imunoterapia? Para esclarecer as principais dúvidas, acompanhe o conteúdo que preparamos:

O surgimento de novos tratamentos para câncer, testados em casos mais graves da doença e que, posteriormente, migraram para cenários mais precoces, tem trazido bem-estar e prognósticos mais otimistas aos pacientes oncológicos. Entre as novidades está a imunoterapia, um tratamento que estimula o sistema imunológico do próprio paciente a combater as células cancerígenas. Segundo o levantamento do Hospital Santa Catarina – Paulista, entre 20% e 25% dos pacientes oncológicos da instituição irão realizar o tratamento ao longo da vida, e o número sobe para 50% quando adicionamos terapias biológicas e alvo molecular.

Para que serve?

A imunoterapia proporciona a remissão da doença inclusive nos casos mais avançados. Para os oncologistas do hospital, esse tratamento é um dos maiores avanços médicos nos últimos anos e pode ser utilizado de maneira sinérgica à quimioterapia, à radioterapia e à cirurgia.

Números

Segundo o relatório bienal 2020-2022 da Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC), 19,3 milhões de novos casos da doença surgiram em 2020, enquanto a estimativa para o ano de 2040 é que esse número chegue a 30,2 milhões. No Brasil, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima que 625 mil surgem novos casos a cada ano. Um dos motivos para o aumento é a mudança gradual da pirâmide etária brasileira, dado que o número de pessoas atingindo idades mais afetadas pelo câncer tende a aumentar. Neste cenário, tratamentos inovadores – como a imunoterapia – ganham cada vez mais relevância.

Como a imunoterapia funciona?

A imunoterapia consiste em estimular o sistema imunológico do paciente com uma substância que atua diretamente nas células cancerígenas, promovendo, assim, uma manifestação mais branda no corpo do que os tratamentos tradicionais. “É como se o corpo fosse um aeroporto, e o sistema imunológico, a segurança do local, que barra os passageiros irregulares representados pelas células cancerígenas. Às vezes, os intrusos conseguem chegar ao avião. Neste caso, os anticorpos humanos são avisados para reforçar a segurança e retiram os passageiros da aeronave”, explica Dr. Antonio Cavaleiro, coordenador médico da oncologia do Hospital Santa Catarina – Paulista.

Diagnóstico

É importante contar com atendimento personalizado e individualizado, visto que cada paciente apresenta particularidades, no momento de adotar o melhor tratamento. Após a identificação do câncer, sua extensão, localização e histórico do paciente, uma estratégia de combate é feita junto ao médico responsável. “Com a adoção de novos protocolos e terapias, como a imunoterapia, por exemplo, em tumores desta natureza, as chances de cura e a sobrevida dos pacientes aumentaram”, ressalta o Dr. Aumilto Júnior, oncologista do Hospital Santa Catarina – Paulista.

Efeitos colaterais da imunoterapia

De 10% a 15% das pessoas submetidas ao tratamento apresentam efeitos colaterais sintomáticos. As manifestações do tratamento, que aparecem através de um sistema imunológico confundido ou hiperativado, podem ocorrer semanas após o início do tratamento. Às vezes, surgem meses depois, de maneira não previsível. Entre os principais efeitos colaterais da medicação, estão:

Hepatite autoimune: o sistema imune acredita que as células do fígado são inimigas, o que resulta na inflamação do órgão.

Pneumonite: ocorre a inflamação dos pulmões, provocada por uma reação de hipersensibilidade.

Colite: é a inflamação do cólon, que provoca sintomas como febre, dor abdominal e diarreia.

Dermatite: inflamação na pele que acomete várias áreas do corpo e não é contagiosa.

Tratamentos avançados

A partir da década de 1960, o tratamento da doença tem evoluído para formatos menos agressivos com a imunoterapia, endocrinoterapia (terapia anti-hormonal) e terapias alvo molecular, nos quais substâncias específicas podem trazer efeitos positivos relevantes para os pacientes e que, inclusive, podem ser usadas independentemente ou combinadas com tratamentos tradicionais, como quimioterapia, radioterapia e cirurgia.

Desde 2016 o Hospital Santa Catarina – Paulista integra a imunoterapia às possibilidades de tratamento de câncer na instituição que, quando indicada, é ministrada ao paciente num intervalo de 21 a 30 dias. Neste processo, a pessoa recebe o soro durante 30 minutos e, depois, pode retomar as atividades do dia.

Ainda tem alguma dúvida? Para saber mais, acesse:

https://redesantacatarina.org.br/hospital/santacatarina-paulista/SitePages/institucional/noticia-interna.aspx?idnot=67

Dr. John Doe 2
Dr. John Doe 2
Endocrinologista
CRM - 67890

Faculdade de graduação

Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2012

Pós-Graduação

Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2013
Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2015
Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2018

Áreas de foco científico

Doenças Crônicas e Cirurgia Metabólica

Outros destaques

Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2017
Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2018

Dr. John Doe
Dr. John Doe
Endocrinologista
CRM - 12345

Faculdade de graduação

Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2012

Pós-Graduação

Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2013
Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2015
Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2018

Áreas de foco científico

Doenças Crônicas e Cirurgia Metabólica

Outros destaques

Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2017
Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2018

Artigos relacionados

Cuidados paliativos no tratamento oncológico

9° Congresso Todos Juntos Contra o Câncer: equipe de oncologia do Hospital Santa Catarina – Paulista apresenta um painel especial sobre o tema “Oncogenética”

NOVEMBRO AZUL: campanha de prevenção, conscientização e combate ao câncer de próstata

150 profissionais capacitados no curso de cuidados paliativos. Confira como foi!

Hospital São José organizou o “Trenzinho da saúde” em Teresópolis

Histórias de alta – A importância do diagnóstico precoce