Compartilhe:

Novembro Azul: mitos e verdades sobre a reposição hormonal e o câncer de próstata

Urologista do Hospital Santa Teresa explica que o uso da testosterona pode fazer com que o câncer de próstata cresça e se manifeste quando este já está presente no organismo.

Usada erradamente como fonte da juventude e vitalidade por muitos homens, a reposição de testosterona chamou a atenção do Conselho Federal de Medicina (CFM), que publicou uma portaria proibindo o uso do hormônio com fins estéticos ou para melhorar o desempenho esportivo. De olho nos benefícios do tratamento, o público masculino desconhece os riscos atrelados ao uso indiscriminado da testosterona, que pode acelerar a manifestação do câncer de próstata, segunda doença oncológica que mais atinge os homens, atrás apenas do câncer de pele, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA).

“A Terapia de Reposição Hormonal pode e deve ser indicada, mas com muito critério, pois o uso da testosterona pode trazer efeitos colaterais ou prejudiciais para a saúde”, afirma o chefe da Urologia do Hospital Santa Teresa, Dr. André Sá Earp, explicando que é comum, com o passar da idade, que a produção do hormônio diminua e, inclusive, alguns homens sofram do Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino (DAEM). Condição em que há uma diminuição da produção do hormônio com sintomas como a diminuição da libido, irritabilidade, desânimo, diminuição da força, massa muscular e no volume do esperma. Nesses casos, o médico pode indicar o tratamento de reposição hormonal, mas sempre tendo em vista os riscos e vantagens para o paciente.

“É necessário que seja realizada uma avaliação da próstata, pois o uso da testosterona pode fazer com que o órgão cresça e pode acelerar a manifestação do câncer. Importante ressaltar que o uso da testosterona não faz com que apareça o câncer na próstata, mas, caso ele esteja presente e sem se manifestar, o hormônio pode fazer com que ele cresça e se manifeste”, explica o urologista do Hospital Santa Teresa. Inclusive, em alguns casos uma das formas de tratamento do câncer de próstata é o bloqueio hormonal, realizado para diminuir e retardar a evolução da doença.

Além desta questão do câncer de próstata, o uso da testosterona pode provocar efeitos colaterais como doenças cardiovasculares, aumento da possibilidade de trombose, sobrecarga do fígado e aumento das mamas. Portanto, a reposição hormonal deve sempre ser realizada com acompanhamento médico. “A reposição de hormônio está autorizada para ser utilizada em homens que apresentem sintomas relacionados à queda da testosterona e comprovação laboratorial de baixos níveis hormonais no sangue. Como o tratamento pode trazer efeitos colaterais, o acompanhamento médico deve ser realizado com toda a atenção”, conclui o Dr. André Sá Earp.

Dr. John Doe 2
Dr. John Doe 2
Endocrinologista
CRM - 67890

Faculdade de graduação

Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2012

Pós-Graduação

Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2013
Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2015
Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2018

Áreas de foco científico

Doenças Crônicas e Cirurgia Metabólica

Outros destaques

Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2017
Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2018

Dr. John Doe
Dr. John Doe
Endocrinologista
CRM - 12345

Faculdade de graduação

Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2012

Pós-Graduação

Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2013
Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2015
Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2018

Áreas de foco científico

Doenças Crônicas e Cirurgia Metabólica

Outros destaques

Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2017
Lorem Ipsum Dolor Sit Amet – 2018

Artigos relacionados

blank

Dia Mundial do Câncer: prevenção, diagnóstico e tratamento

blank

Dezembro Laranja: previna-se contra o câncer de pele neste verão

blank

Novembro Azul: mitos e verdades sobre a reposição hormonal e o câncer de próstata

blank

CÂNCER DE PRÓSTATA: DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E POSSÍVEIS EFEITOS COLATERAIS DOS TRATAMENTOS

blank

O Novembro Azul, as doenças da próstata e a importância do diagnóstico precoce

blank

NOVEMBRO AZUL: PRECONCEITO DIMINUI CHANCES DE DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER DE PRÓSTATA